2 de nov de 2010

GNOME 3 sem aceleração de hardware? Quase...

Revisado em 03/11/2010

Em um post anterior afirmei que tanto o GNOME Shell quanto o Unity (ambas são interfaces de usuário - UI ou GUI - para o GNOME 3) aparentemente não rodariam no meu velho notebook Itautec (que conta com adaptador gráfico VIA), já que estas duas interfaces gráficas requerem aceleração 3D por hardware.

Logo GNOME

Sobre tal afirmação, é preciso fazer algumas observações...

No site live.gnome.org há uma página chamada GNOME 3 Myths (Mitos sobre o GNOME 3). Um dos mitos relacionados trata da questão da próxima versão do GNOME só funcionar com aceleração de hardware.

De acordo com as informações apresentadas, o GNOME Shell usa capacidades 3D relativamente primitivas, que estariam disponíveis em praticamente todos os dispositivos computacionais fabricados nos últimos 4 ou 5 anos. Isto incluiria a maioria dos desktops e computadores portáteis, dispositivos móveis, celulares, tablets e netbooks.

Mas, conforme descrito no texto, há exceções (como hardwares modestos que contam apenas aceleração 2D, por exemplo). Logo, os usuários poderiam usar, se necessário, a interface do GNOME 2 (painéis e gerenciador de janelas, segundo o GNOME Shell FAQ) juntamente com as aplicações e bibliotecas do GNOME 3.

Bingo! Era justamente a informação que eu esta procurando e que me deu esperanças de poder continuar utilizando o GNOME no meu velho Itautec de guerra.

No entanto, o uso da interface do GNOME 2 seria transitória. Para experimentar o GNOME 3 e tudo o que ele pode oferecer, será preciso aceleração de hardware 3D!

Portanto, a menos que surja um novo driver VIA com suporte a aceleração 3D e que funcione no Itautec W7635, o uso do GNOME Shell no meu notebook está descartado. O mesmo vale para o Unity (que utiliza o Compiz como gerenciador de janelas).

Logo Compiz

É claro que um dia meu note deverá ser substituído por outro mais decente
potente e, consequentemente, estarei livre deste tipo de problema. Assim espero...

10 comentários

Rodrigo Zimmermann disse...

Não é apenas este o problema.
Gerenciadores de janelas que requeiram recursos 3D para funcionarem fazem com que os recursos 3D, que deveriam estar sendo reservados para o que realmente interessa (aplicativos como o Blender e o Maya, e também na parte de jogos), sejam desperdiçados.

Faça uma comparação: rode o utilitário glxgears, o qual faz um teste de frames por segundo que sua placa de vídeo é capaz de exibir, com um gerenciador de janelas que precise aceleração e compare com outro gerenciador de janelas, como por exemplo o openbox.

Eu sou usuário do KDE 3.5 e uso o OpenBox como gerenciador de janelas. Percebi que o Kwin com aceleração 3D, compiz e qualquer outro gerenciador de janelas com composição fazem meus jogos rodarem mais lentos e a ferramenta glxgears mostra um baixo fps.

Rodrigo Miguel disse...

@Zimmermann (Rodrigo Zimmermann), ótima contribuição! :)

O KWin não depende da aceleração 3D. Da mesma forma que a composição no Metacity. Isto permite que até mesmo o KDE 4 possa ser usado em hardwares modestos.

Não vejo com bons olhos a exigência (de aceleração 3D) feita tanto pelo Unity quanto pelo GNOME Shell.

O jeito vai ser esperar pra ver...

João Batista disse...

vou voltar pro kde... é o jeito... infelizmente deixar de utilizar o gnome nas próximas versões, já que sou um (in)feliz proprietário de um notebook com placa sis

Rodrigo Miguel disse...

Acrescentei algumas informações do texto, pois algumas informações talvez não tenham ficado muito claras:

"Mas, conforme descrito no texto, há exceções (como hardwares modestos que contam apenas aceleração 2D, por exemplo). Logo, os usuários poderiam usar, se necessário, a interface do GNOME 2 ..."

@João

Talvez seja o seu caso. Você poderia usar o GNOME 3 com GUI do GNOME 2.

Diego disse...

bom, estão tentando fazer o compiz rodar em modo 2d, isso ajudaria bastante o gnome3 se funcionar. Seria como o meu querido kde4, que o kwin roda tanto com aceleração quanto sem.

Hugo Bastos disse...

O xubuntu 11.04 me parece agora uma excelente opção para hardware modesto, como sis e outras porcarias que encontramos no mercado uma vez que é muito parecido com gnome 2, mais leve e com a simples instalação do libreoffice, que já testei e fiz no xubuntu 10.10 através de repositório ppa, se torna um sistema muito leve e muito eficiente para hardwares que deveriam estar no lixo e não em notebooks e desktops.

betto disse...

Também sou um infeliz proprietário de um CCE sis671. Nunca mais vou comprar computador de promoção. Unity 2D não é a mesma coisa. Engana, mas um monte de coisas boas do Gnome não funcionam bem. Fica lentão. Usar Gnome 3 com interface do Gnome 2 é deprimente, é como ver ricos comendo bem e você gorejando do lado de fora num restaurante. Xubuntu e outros não convencem muito pra quem usa rotineiramente o sistema. Falta algo. Assim, já estou voltando ao KDE muito feliz, com rabinho entre as pernas, pois foi ele quem me trouxe ao Linux. O Gnome esnobou seus fieis escudeiros. Adeus!!! [#Chorar nesse momento da cena!]

disse...

Mano... LXDE nele! tenho um Infoway W7635 e, apesar de estar na hora, não vou aposentá-lo tão cedo. To rodando Ubuntu Natty com LXDE e neste momento estou no live USB do Fedora 15 (Gnome 3 não pode ser inicializado).

Mas estou baixando o Sabayon com LXDE (e com E17 tbm) pra ver, acho que vou usar coisas mais simples, mesmo no meu desktop que tem aceleração 3D.

Administrador disse...

Uma pena que a maioria dos linux em geral estão ficando cada vez mais exigentes com os recursos da máquina.

O linux está deixando de lado o tom de leveza dos recursos do sistema e está cada vez mais ligado na "roupagem".

Rodrigo Miguel disse...

Re: @Administrador

Mas vale lembrar que existem as interfaces LXDE e XFCE, como opções para um ambiente mais leve em hardware modesto...